terça-feira, 20 de novembro de 2012

Como montar um altar simplificado?

* Por algum tempo escrevi para um site da qual era moderadora sob um pseudônimo, tirando dúvidas enviadas por e-mail para a coluna que se chamava "Bruxa Teteca Responde - Por Trina Tanith". As opiniões expressas eram minhas, portanto trago os textos também para cá e inauguro mais uma aba de temas no bloguito: 


Como montar um altar simplificado?
¬ Organizando um espaço especial em sua casa


Olá, como vão, queridas e queridos? Sou Caterina (Trina) Tanith; para os amigos, Teteca. Muitas pessoas entram em contato para tirar dúvidas sobre magia, querem receitas, dicas e muito mais... Na coluna deste mês, respondo à pergunta feita pelo Antônio, do Rio de Janeiro:
"Oi, eu gostaria de pedir uma ajuda da bruxa Teteca: gostaria muito de ter um altar para mim, mas tenho pouco espaço em casa e não tenho como comprar muitas imagens agora. Como arrumar um espaço simples para servir de altar? O que tem que ter, exatamente, que eu precise mesmo comprar? Valeu!"

 

Exemplo de altar natural
[fonte: Internet]


Bom, vamos falar primeiro dos altares? Descobrir maneiras de honrar nossa conexão com os deuses é algo tão antigo quanto a humanidade! As culturas antigas identificavam o que tinham à mão como itens preciosos para sua sobrevivência, e assim as deificavam: a natureza, a terra cultivada, o mar que dava o alimento, as plantas que curavam... As culturas antigas, portanto, sabiam que suas vidas dependiam da manutenção de um forte vínculo com o que muitos chamam de Mãe Terra. Com o tempo, muitas religiões e cultos se formaram, cada qual com sua liturgia e método, por muitas vezes se adaptando a evolução: antes se vivia 'in natura', agora temos casas, edificações, segurança para o perigo que havia "lá fora"... Obviamente, os templos religiosos ao ar livre foram trocados por construções, e altares foram criados dentro deles para que as deidades continuassem a ser honradas, e para que todos pudessem recorrer a elas sempre que preciso fosse, sem depender de condições climáticas ou de melhor segurança, por exemplo.

O paganismo trouxe de volta a conexão com a natureza 'in loco'. Como pagãos, devemos sempre lembrar e dedicar um tempo para caminhar na natureza, desfrutar de suas dádivas e agradecer-lhe por todas elas. Obviamente, no mundo moderno aonde vivemos, não é possível fazer isso sempre que possível/preciso - uma pena! - e ter um espaço sagrado para se dedicar e honrar aos seus deuses é importante. Aliás, em verdade, fazer um altar não é, necessariamente, um ato religioso ou um ritual pagão somente, mas é uma ação positiva no século XXI, que beneficia a nossa saúde e a nossa conexão corpo-mente-espírito. Por meio dessa conexão trazemos equilíbrio a nós mesmos, nos tornando um ser de coinciência espiritual completa.

Vamos então ver como organizar estes espaços. Nossa religião, em sua essência atual, não carece de equipamentos complexos nem espaços selvagens!.. "Nosso trabalho é com o sutil, com o lado mágico da natureza", como nos diz Rae Beth, uma bruxa solitária natural inglesa. A essa altura, vale lembrar:  o altar é o espaço consagrado por você aos deuses e deusas, e é onde você obviamente irá trabalhar magicamente. Para o altar, itens simples como os mostrados a seguir são válidos e representam muito bem as deidades, aos elementos e seus representantes, a sacralidade de espaço... Os itens "obrigatórios", por assim dizer, são os de trabalho mágico apenas! Então, respondendo a sua segunda pergunta, Antônio, para o altar não é preciso comprar nada de caro ou complexo... Já para o trabalho mágico feito no altar, os itens mágicos pertinentes a um bruxo - estes sim! - devem ser adquiridos ao longo de sua jornada pelo conhecimento e evolução pagã. Podemos falar sobre os instrumentos mágicos numa próxima coluna.

Voltando ao altar, é preciso ter em mente três pontos importantes: o espaço escolhido, o seu aproveitamento e os itens a se colocarem em si. Do espaço escolhido, pergunte-se primeiro, sem levar em conta nenhum problema: existe algum local de sua casa aonde você se sinta bem naturalmente? Se este espaço estiver acessível e puder ser usado como altar, não pense duas vezes! Porém, se não há como usá-lo, procure por um local aonde você possa se recolher e ter tranquilidade, e aonde possa ter certa privacidade, para quem não mora sozinho. Uma mesa pequena, uma cômoda com a parte de cima vaga, até mesmo uma prateleira... Tudo isso pode ser usado para criar o espaço de seu altar.

Sobre o aproveitamento, é importante ressaltar que um altar pagão deve, no mínimo, honrar ao(s) deuses e aos cinco elementos e seus representantes: ar, fogo, terra, água e éter. Quando se está 'in natura', levamos em conta o que há no entorno. Por exemplo, se há um lago ou o mar, representará o elemento água; no caso de uma montanha ou um morro, o elemento terra. Para os locais sem estas referências, assim como para os locais fechados, é costume utilizar as direções/pontos cardeais e suas correspondências seculares feitas pelos alquimistas e místicos: o elemento terra corresponde ao Norte, o elemento ar corresponde ao Leste, o elemento fogo corresponde ao Sul, o elemento água corresponde ao Oeste e o elemento Éter é a vida, é intangível e está em tudo, mas é representado geralmente ao centro do círculo mágico. Para distribuir estes pontos, considere descobrir aonde fica cada ponto cardeal, tendo como referência o local escolhido. Outro ponto importante: convencionalmente, o altar fica sempre virado o máximo possível para o Norte.

Sobre os itens, é importante ter uma representação para cada elemento, disposta logicamente nos locais de seus respectivos pontos cardeais. É de praxe utilizar as mesmas correspondências dos elementos; darei alguns exemplos, para que vocês possam perceber mais ou menos do que estamos falando.

* Para o Norte, então, coloque algum vaso de plantas, ou frutas e grãos da estação, itens de barro ou argila, itens nas cores marrom ou verde.

* Para o Leste, utilize penas, incensários, sinos e itens que possam ser pendurados, e itens nas cores azul claro e amarelo. Os incensos são extremamente bem vindos, mas devem ser usados apenas em locais com ventilação; se não for o seu caso, utilize rechauds que possibilitem a queima segura de óleos essenciais.

* Para o Sul, as velas são adequadas, assim como os locais aonde você as queima, como pires e ou candelabros; os itens podem ter as cores vermelhas e laranjas vivos. Vale lembrar que atenção e cuidado devem estar sempre presentes na queima de velas, certifique-se de que o local é adequado e seguro ao acendê-las.

* Para o Oeste, use pequenos recipientes para colocar água, que pode ser da chuva, de rio ou do mar. Cristais e ágatas, pedras "naturalmente furadas" e itens nas cores azul escuro e branco são bem vindos.

* O Éter está em tudo, e pode ser honrado com a limpeza e aromatização do local: manter seu altar sempre limpo e organizado auxilia na fluição das energias sutis e mantém a beleza do espaço agora sacralizado. Além disso, se houver como, coloque ao centro um recipiente como um caldeirão ou uma panela pequena, representando o útero da Deusa, o espaço de criação, o receptáculo das benesses divinas, o espaço de transformação. Tudo isso, por si só, é o Éter.



 

Algumas considerações:

- Durante as caminhadas em meio à natureza, mantenha os olhos abertos para qualquer dádiva que ela lhe oferecer, por exemplo: sementes com formas incomuns, folhas ou penas que "caiam" perto de você, conchas ou pedras que lhe chamem a atenção... Estes itens podem ir para o seu altar, sem nenhum problema! Nestas caminhadas ou sempre que possível, colha flores ou ervas para dispor em seu altar.

- Não sabe "exatamente" o que dizer ao parar em seu altar? Procure no dia-a-dia, você certamente encontrará. Se leu um texto ou um poema que tem a ver com o momento de sua vida, leia-o em voz alta em seu altar; se pensou em alguma frase ou tem algum dogma pessoal que repita para si mesmo sempre, reverbere-o também de frente a seu altar. Se chegar em frente a ele e, de repente, se ver em silêncio, seja pela paz interior que ele lhe fornece ou porque possa estar com algum sentimento impedindo de falar, apenas acenda sua vela e aguarde, fique em silêncio... Tudo é permitido desde que você saiba perceber a sacralidade do que está fazendo.

 

Lembre-se, um altar é "vivo"! Dedique tempo a ele, limpe-o, enfeite-o, aromatize-o, acenda suas velas, dê-se alguns minutos de seu dia para honrá-lo e honrar também aos deuses, pois ele é um espaço-canal aonde você se conecta com eles e com o divino em si, seja ele exterior, através de imagens e ritos ou interior, através de meditações e momentos introspectivos. Passe algum tempo todos os dias em seu altar, usando-o como espaço especial onde você pode meditar e nutrir a si mesmo.

E para quem quiser mandar perguntas, saber de dicas e/ou explicações sobre assuntos diversos da Wicca e da magia em si, é só escrever para mim!

Beijo-estrela,


Por Aysel Gülbarg [Chris Wolf],
 originalmente publicado em 31.08.11
© Todos os direitos reservados.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

¬ Obrigado por seu comentário!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...